A estrutura de fiscalização da RFB – SUPERCOMPUTADOR T-REX e o software HARPIA

Receita Federal Brasileira

A estrutura de fiscalização da RFB – SUPERCOMPUTADOR T-REX e o software HARPIA

O T-Rex é o supercomputador da Receita Federal do Brasil, e para tristeza de muitos, não tem como burlar esta “fera” da tecnologia não!

Para você entender bem, o T-Rex é um supercomputador que foi montado nos EUA e leva esse nome por ser considerado como o devastador Tiranossauro Rex.

Já o software de nome Harpia, foi desenvolvido pelos engenheiros do ITA – que se trata do Instituto Tecnológico de Aeronáutica e também da Unicamp, tendo como batismo o nome da ave de rapina mais poderosa do Brasil.

Saiba que essas duas ferramentas, são as “armas” que a Receita Federal Brasileira, está usando para combater a sonegação fiscal e assim conseguir levar a efeito uma arrecadação precisa.

Quem são os primeiros alvos desse rastreamento feito por essas duas ferramentas poderosas?

São elas:

  • As empresas que importam.
  • E as empresas que exportam.

O setor de comércio, principalmente o externo, foi escolhido por causa do aumento dos negócios entre o mercado estrangeiro e o Brasil. Além disso, foi contado também a questão dos pesos das exportações e importações na economia e o grande número de fraudes que envolve o comércio internacional.

O Brasil tem utilizado a automação desde o ano de 1996 para as exportações e para as importações desde 1997, para efetuar a inspeção das operações. Mas a Receita Federal compreende ser imprescindível agregar esses mecanismos de análise de riscos nesse novo modelo.

Esse monitoramento se baseava somente na natureza da operação registrada, e agora trabalha no nível de risco identificado. Assim a Receita Federal filtra melhor as sonegações de impostos e fraudes.

Quando esse rastreamento começou?

Desde 2006 a Receita Federal do Brasil tem colocado esse equipamento e softwares para cruzar informações. Através deles os dados são gerados com maior rapidez e precisão, especificando o número de contribuintes.

E não é somente as pessoas jurídicas que podem ser pegos nessa “malha fina”. Pessoas físicas também são analisadas.

O monitoramento está sendo feito nesse momento em sua conta bancária, por meio do Banco Central e da Receita Federal! Isso mesmo!

Suas contas bancárias estão sendo monitoradas pelo Governo. O “cérebro interno” desses sistemas está fazendo uma varredura intensa, para verificar todas as contas dos brasileiros.

Como se tratam de Tecnologia da Informação (máquinas) e de um software poderoso, a fiscalização trabalha sem cessar, dando todo o suporte que esses órgãos necessitam.

Todas as instituições financeiras do País estão sendo verificadas e também as contas de cada cliente. Para você entender melhor, em uma análise feita em apenas 4 dias, foram encontrados nada menos do que 150 milhões de correntistas, que são interligadas por CPF ou CNPJ, junto aos nomes do titulares e procuradores.

A cada dia que se passa, mais informações vão sendo repassadas, os números chegam a cerca de 1 milhão de novos dados diariamente. Toda conta que é aberta, movimentada ou abandonada está sendo monitorada por essas ferramentas da Receita Federal do Brasil, assim sendo cada nome e registro não são perdidos ou conseguem ser ocultados.

Nesse sentido, tudo é armazenado com origem, destino, nome do proprietário e etc.

Análise do contribuinte em segundos apenas!

Por meio do Supercomputador T-REX  e do  software HARPIA, a Receita Federal tem uma análise completa do contribuinte. Processos de instituições que levavam até um ano para poderem ser analisadas, agora podem ser concluídas em apenas uma semana.

Como esses sistemas conseguem identificar as fraudes e sonegações de impostos?

Ambos os sistemas, seja o T-Rex ou o HARPIA, trabalham com uma inteligência artificial, ou seja, ambos estão se adaptando aos comportamentos de cada contribuinte que é analisado, estão aprendendo as rotinas de movimentação, retiradas e etc.  Assim, detectam com precisão as irregularidades de cada indivíduo.

O que essas ferramentas fazem?

  • Analisa os relacionamentos das empresas, seja com pessoa física ou jurídica.
  • Identifica se o contribuinte negocia com laranjas ou com empresas fantasmas.
  • Armazena informações sobre os negócios e a empresa, como exemplo: tributos recolhidos, exportações, importações, ocorrências de falhas operacionais de venda e compra.
  • Se há envolvimento com atividades ilícitas: contrabandos ou narcóticos.

E assim os dados vão sendo compostos no histórico de cada contribuinte!

Portanto, esteja atento a esses detalhes e tenha uma equipe contábil especializada em planejamento tributário, compliance fiscal e auditoria fiscal digital, pois eles lhe ajudarão a manter o seu negócio em ordem (dentro da legalidade), de maneira que você não seja prejudicado e possa planejar um crescimento seguro e sustentável.

Aja assertivamente!

Até breve!

Nenhum comentário

Postar um comentário