ICMS-ST – Retido e não recolhido é crime

icms substituição tributária

ICMS-ST – Retido e não recolhido é crime

Por Josefina do Nascimento

O valor do ICMS Substituição Tributária – ICMS-ST retido na Nota Fiscal não é faturamento.

O emitente da Nota Fiscal (substituto tributário), que retém e não recolhe o ICMS devido a título de substituição tributária está cometendo crime de apropriação indébita, de que trata o inciso II do artigo 2º da Lei nº 8.137 de 1990.

Trata-se de crime contra a ordem tributária, com pena de reclusão de detenção, de 6 (seis) meses a 2 (dois) anos, e multa.

Ocorre o crime, quando o fornecedor da mercadoria, na condição de substituto tributário não recolhe aos cofres do governo estadual o ICMS retido a título de substituição tributária.

A seguir exemplo

Venda de mercadoria importada para revenda – de SP para SP

NCM 4823.20.99 – filtros descartáveis para coar café ou chá – mercadoria relacionada no Art. 313-Z15 do RICMS/SP

ICMS – alíquota em SP 18% – inciso I do Art. 52 do RICMS/SP

IPI – 15% – Decreto nº 8.950/2016

IVA-ST 90,91% – Portaria CAT nº 102/2015

SP- ICMS-ST – débito não é parcelável

Alguns contribuintes “desavisados” que ficam devendo ICMS-ST, quando recebem o aviso de cobrança do Estado acham que podem parcelar o imposto. No entanto, o ICMS devido a título de substituição tributária não pode ser objeto de parcelamento (inciso II do Art. 14 da Resolução Conjunta SF/PGE 02/2012 do Estado de São Paulo).

Assim, responsável tributário na condição de substituto tributário, constitui crime contra a ordem tributária o não recolhimento do ICMS-ST aos cofres do governo.

Fonte: Siga o Fisco

 

Nenhum comentário

Postar um comentário